Sangue de Nuvens de Manuel Neto dos Santos

O livro do nosso colaborador Manuel Neto dos Santos será apresentado na Biblioteca Municipal de Vila Real de Santo António.

neto dos santos 55

“Em Sangue de Nuvens descobrimos Manuel Neto dos Santos (MNS), o homem por detrás do acto da escrita, o ser que alimenta o poeta que escreve na epiderme das suas memórias, os lugares e momentos que esculpiram o escritor e, com maior profundidade, na derme, o seu imaginário pessoal, os recantos mais sombrios desvelando a sua plena condição humana…”

“… A safra poética de Manuel Neto dos Santos é a perfeita simbiose entre a súmula da poesia do seu tempo e o murmúrio de levantino lirismo da brisa arábico-andaluza: «deambulo sob um céu por um remontíssimo país não vivido nem real; e ouço as azuladas cantigas quando, a sós, me debruço para apanhar as rosas que me trazem a tua memória. Amo- te agora muito mais, meu país ao Sul da minha terra; Portugal». Uma vez mais com o mar como espelho reflector do caleidoscópio emocional, cuja intemporalidade nos perfilha no simples acto de contemplar. A divisa notável de um dos maiores poetas ao Sul. A poesia de Manuel Neto dos Santos tem raízes bem demarcadas, mas não pode ter, é imperativo que não tenha, a geografia da sua ressonância definida. Em boa hora alastrou o perfume da sua poesia por terras do Andévalo. Ganha a língua portuguesa um magnífico embaixador na pátria de Cervantes e convoca Espanha numa voz poética de rara profundidade e excepcionalidade. “

Com prefácio e tradução do poeta João Miguel Pereira; a obra poética surgida do convite por parte do poeta José Luís Rua Nacher, publicada pela editorial Wanceulen, de Sevilha, na colecção de Ayamonte de Livros de Estraperlo; uma aventura poética do Grupo de poetas do Guadiana espanhol.

Lançamento oficial dia 20 de Abril na Biblioteca Municipal de V.Real de Sto António

Anúncios

Kyushu – o livro de medicina japonesa

Kyushu – o livro de medicina japonesa (do nosso arquivo de imagens)

um Romance sobre Angola lançado no Brasil

“O Tempo da Geração Espontânea” de Rafael Dionísio é um romance histórico com o colonialismo como pano de fundo.

tempo-da-geracao-espontanea_capa

O Tempo da Geração Espontânea, do nosso companheiro Rafael Dionísio, acaba de ser lançado no brasil na sede da editora A Bolha – Rio de Janeiro.

o novo romance do joão rafael traça um percurso entre o século XIX e os anos 1980. retrata as contradições do colonialismo, da esquerda, da revolução e da vida após a independência de angola. neste romance histórico o autor faz ainda uma reflexão sobre portugal.

O Tempo da Geração Espontânea é o seu quarto romance editado pela Chili Com Carne

outras obras de rafael dionísio:… – A Sagrada Família, Lucrécia, Algumas Pessoas Depois e Cadernos de Fausto.

a casa constante

constante

recebido do autor – Antonino Solmer este bom livro de poesia com a chancela da “Chiado Editora” – Lisboa

Amar o mundo
Como uma caixa de ferramentas
Da obra infinda.

Afinar a condição
De já ser homem e crescer
Ainda

 

Antonino Solmer – Formado pela Escola Superior de Teatro e Cinema como Actor-Encenador, estudou ainda interpretação e encenação em teatros e escolas da Polónia.

 – actor e encenador, desde os 16 anos, trabalhando no cinema e RTP em vários grupoos e companhias entre elas:  Os Cómicos, ContraRegra,  Teatro da Cornucópia…
– Director do Teatro da Trindade e integrou a direcção do Teatro Nacional de D. Maria II.
–  professor de teatro durante mais de 20 anos, nomeadamente na Escola Superior de Teatro e Cinema.
– co-autor e coordenador científico do Manual de Teatro (esgotado), e tem reflexão teatral escrita dispersa por diversos periódicos portugueses e revistas especializadas.
Em 2000 optou definitivamente pela investigação e pela escrita.
Escreve poesia ou “coisa parecida”, desde que se conhece, afinal a sua primeira maneira de representar, de encenar, de construir.

 

um excelente livro – recebido do brasil

livro-RS1

em jeito de prefácio
renato suttana inicia o seu livro “bichos imaginários” com estes versos:

os ovos frigirão pássaros
os pássaros engolirão as horas
as horas serão pias

um grande ponto de exclamação
dividirá ao meio
a tua confusão

livroRS2

estamos a falar do livro que nos chegou à caixa de correio —-> “bichos imaginários”, uma edição de “Sol Negro” (natal-brasil). o seu autor é um poeta que tem colaborado nesta “gripe das aves” – renato suttana.

e renato marcou presença, entre nós, nas páginas da revista “bicicleta” para além de ter colaborado no velho “domador de sonhos”.

lembremos renato suttana em “bicicleta” (edição nº 10):…

quando o incêndio começar

Quando o incêndio começar
é para a porta
que deves te dirigir
Não penses na deliciosa nudez
da tua noiva
no teu setembro chuvoso
no teu castelo
de nuvens
nos teus gerânios
nos teus pratos nas tuas
abotoaduras nos teus
caminhos de Santiago
nas tuas meias nos teus pratos
nas tuas aventuras sexuais
nos teus gerânios
nas tuas
realizações mais expressivas
no livro que não chegaste
a ler na tua gota
nas tuas calças
nos teus amigos no teu
castelo de nuvens
nas tuas abotoaduras
nos teus irmãos
no que não perdeste
nas tuas asas nos
teus amuletos
nas tuas abotoaduras
nas tuas irmãs
no teu jardim
no teu desejo
de ir à Grécia na tua
raiva no teu relógio
no teu grito
É pela porta
que deves sair
quando o incêndio começar.

precisamente. um livro a ser lido