porque sexo na banheira é bom….

vieira-000

ele disse e cantou: sexo na banheira é bom… e, porque o é, porque estamos em pleno acordo… dizemos: votar vieira é tão bom quanto pagar 5 euros por 8 quecas.

vieira-02pois é.

os portugueses aperceberam-se neste verão que a salvação da pátria foi anunciada. que em portugal, finalmente, há um candidato que poderá cumprir o desejo de todos – alcatifar esta nação de emigrantes e alguns marinheiros.

vieira

e porque assim é, a “gripe das aves” está em plena sintonia com o candidato vieira, o que não é de estranhar pois a própria furer do IV reich afirmou: “em 2001 quis votar no candidato vieira, mas não me deixaram. Como eu há mais de 10 milhões de portugueses” – in: “quem vai à guerra, dá e leva”

vieira-03

facto é que nenhum país tem um candidato como o nosso e, talvez por isso… a discórdia foi instalada nas hostes da direita e esquerda portuguesa – o pânico invadiu já as sedes dos partidos, uma vez que os seus “militantes” estão prontos para engrossar a horda que na república lusa gritará pelo nosso futuro presidente e exigirá sessões de sexo na banheira todos os dias

vieira-00

APOIA A CANDIDATURA

SE ÉS ELEITOR NAS ÁREAS METROPOLITANAS DE LISBOA E PORTO

1— FAZ o download da Declaração de Propositura e do Requerimento da Certidão de Eleitor em:

 http://www.vieira2016.com/images/files/propositura.pdf

e preenche os respectivos formulários.

(O nº de eleitor, bem como a Junta e o Concelho de recenseamento, podem ser obtidos com a indicação do nome e data de nascimento no site:

http://www.recenseamento.mai.gov.pt/)

2 — ENVIA a Declaração de proponente assinada e o requerimento da Certidão de Eleitor para a seguinte morada:

caixa p. 208

rua correia teles 28A

1350-100 Lisboa

campanha de praia

campanha de praia

Vieira na “prova oral” http://www.rtp.pt/play/p260/prova-oral

Anúncios

o grafitti saiu da rua….

os deuses vão-se perfilando: zeus, netuno, afrodite… vão ganhando forma nas paredes de ruas europeias – os artistas de rua são os espanhóis PICHI Y AVO. uma dupla de “bons grafiteiros” que, armados de spray, reproduzem imagens dos deuses do olimpo grego.

saíram da rua e, entraram na galeria, a exposição chama-se:urban icono mythology” – e é em itália

pichiavo-8 pichiavo-1 pichiavo-2 pichiavo-3-980x600 pichiavo-4-980x600 pichiavo-5-980x600 pichiavo-6 pichiavo-7

o caso do sonâmbulo chupista

 “o caso do sonâmbulo chupista” é um excelente trabalho de luiz pacheco (edições contraponto) sobre obras de vergilio ferreira e fernando namora – ou será fernando ferreira e vergílio namora? ler este folheto que circulou em lisboa nos anos 70 é obrigatório – o pacheco agradece (agradeceria)

1-caso 2-caso 3-caso

4-caso 5-caso 6-caso

7-caso 8-caso

mais um projecto de mandrágora (novas datas – limite de envio)

projecto de mail art/arte postal

mail art
– Criaremos uma instalação colectiva de arte postal inserida num encontro de pesquisa lúdico-artistística baseada no tema: As cartas de jogar e o jogar das cartas
– Crearemos una instalación colectiva de arte correo inserida en un encuentro de búsqueda ludico-artistica que se basará en lo tema: Las cartas de jugar e y el jugar de las cartas
– We will create a mail-art collaborative installation included on a ludic/ artistic research meeting under the theme: playing cards and the playing of the cards
size and techique —> free
no jury —-> no return
deadline —> 30/04/2015
documentation to all participants
send to —-> Belisa de Almeida e Sousa
Estrada Nacional 125 Nº133
8800 109 Luz de Tavira
Portugal

sobre os II encontros de arte contemporânea algarve-andaluzia (tavira)

a arte é a arte. não mais que a arte.
a arte é uma festa em movimento – livre e embriagadora. ali. em tavira. estávamos preparados para dias de festa…
perfeito? “perfeito só o divino mestre, pecadora” (escreveu miguel torga in “o mar” – poema dramático) .
e nos dias de festa… pintamos o corpo, diferenciamo-nos dos demais.

gonçalo mattos em tavira

gonçalo mattos em tavira

os actos poéticos sucederam-se. ocuparam espaços. um espaço poético para cada um dos intervenientes.
e os intervenientes eram os bastantes.
os intervenientes serviram “um caldo” onde as estéticas contemporâneas cumpriram o seu dever. irromperam, em liberdade, no interior dos muros de um aquartelamento – ex-libris do burgo – atalaia.
no comando, um coronel – um homem de outras artes, as castrenses. um homem que, como poucos, soube abrir as portas de uma fortaleza militar às artes. as outras. as da criação estética.
e isso foi, se não curioso, gratificante.
e isso foi marcante para os mais descrentes – um quartel, espaço de ritos bélicos, será compatível com actos de espontaneidade e criatividade que irrompem sem lei e sem ordem…?
ali foi.
ali… aconteceu

aconteceu um ritual – outro.

e aconteceu um convívio entre gentes que, na sociedade, cumprem rituais distintos (opostos?).

o algarve e a andaluzia estavam ali. aquartelados. não para cumprir um projecto provinciano (como é vulgar. demasiado vulgar) mas, tão só, um projecto.

e isso foi história.

e isso foi extremamente importante…

e quem lá esteve?

– adão contreiras, fernando grade, joão viegas, paulo serra, milita dorè (galeria margem). 
manuel almeida e sousa e gonçalo mattos (mandrágora).
álvaro de mendonça.
fernando bono, miguel ángel concepción, rocio lópez zarandieta (colectivo atlantida del sur (?)).
antónio d. ressureiccion, fernanda oliveira, luis cruz suero, virginia ogalla. marisa duran. angel tirado, kaprax (lacajahabitada).
luísa soares teixeira, maria cañas, maria clauss e juan vidal

atalaia (quartel) foi rebaptizada de artalaia. uma artalaia capitaneada pelo josé bivar e pela joana rego.

tingir cabelos
e
pintar o corpo são manifestações culturais – actos comuns. a pintura do corpo foi prática em celebrações de fertilidade e cerimónias fúnebres. um rito à beleza. ao erotismo. à guerra. e um rito, também, destinado a aplacar a ira dos demónios…
pois.

a pintura corporal protege o corpo
dos raios solares
das picadas de insectos
e
o padrão da pintura e sua localização – no corpo – pode revelar o “status” de seu detentor.

a pintura corporal foi, em tavira, o acto final da nossa acção “performance” (nossa – de mandrágora).
aqui estivemos por acreditar, desde início, no acto.

e o acto chamou-se: “II encontros de arte contemporânea algarve-andaluzia”.