Zulmira Oliva expõe em Olhão

Algarvia nascida em Paderne e criada em Olhão donde partiu para a aventura de uma vida plena dedicada à educação e à arte. Binómio, esse, que foi o vetor determinante que a levou da ruptura com o ensino oficial ao universo utópico do grande mestre da Portugalidade: Agostinho da Silva. 

A relação entre estes dois entes maiores da Espiritualidade Portuguesa, versão laica do elo transcendental Ibérico João da Cruz e Teresa de Ávila, é um fenómeno único que urge estudar e analisar. 

Reencontramos Zulmira Oliva nos seus ágeis 88 anos em Olhão, vinda da Quinta de Sintra, onde viveu as últimas 3 décadas e, com a sábia disponibilidade de educadora pela arte, recebia diariamente ranchos de crianças e adolescentes que iniciou na expressão artística motivando-os na arte de Ser, como ensina a cartilha de Agostinho, reduto implacável da identidade Lusíada.

No seu voo ensaiado nos desenhos dos anos 70, que expôs na saudosa Galeria da Emenda, partindo do cantinho terrestre até à nuvem cósmica que tudo liga e envolve, Zulmira foi tocada e, tocou uma pleiade de seres de excelência da nossa cultura como a escritora e pedagoga Matilde Rosa Araújo, a poetisa experimental/gráfica Salette Tavares, a investigadora Helena Briosa, a escultora e astróloga Flávia Monsaraz (sua mestre de escultura), mas foi em Agostinho e nos diálogos de mistério e perplexidade que defenitivamente ancorou a sua inspiração. No início da última etapa da sua jornada, Zulmira regressa à Terra da sua Infância, na esperança de um acolhimento que possa recolher o seu legado com a dignidade e reconhecimento do valor que inexoravelmente merece.

Aqui se mostra pois, um pouco do seu trabalho na forma de desenhos, livros de artista, textos caligrafados, poéticos-didáticos, ilustrações, etc. 

José Bivar 

Anúncios

cadernos do Levante lançados em Olhão

DO LEVANTE

Enquanto a Serra sagrada do Algarve ardia, os animais sucumbiam ou fugiam, as famílias rurais lutavam com a guarda da República, defendendo bens mais que vidas, noutro Algarve dito o ”centro do mundo”, Olhão, terra de piratas honrados, reunia a tertúlia do levante na velha recreativa, vetusto bastião das memórias do simbolista João Lúcio e outras excelsas figuras do Algarve novecentista.

Viemos de Cascais, de Lisboa, de Cádis, Sevilha, do barlavento, … , viemos para celebrar o momento do nascimento de uns pequenos cadernos do LEVANTE que, doravante, trocam de mão em mão as vozes sussurrantes do fértil abandono.

Crédulos, apesar de tudo, que um grito colectivo pare a máquina, dois Manueis, um de Sousa e outro Neto de Santos fizeram soar o clamor sob onomatopeias e guturais sopros primordiais.

Inicio de novo canto resistente? Extintos os Marítimos! Os do Levante voltaram para perguntar: ainda há MAR?!

José Bivar (in “crocodarium” revista de Mandrágora)

olhão2olhão3olhão4olhão5olhão1

sobre os petróleos e outras coisas para queimar

 sobre os petróleos e respectivos furos, pouco mais há a dizer para além de que;
a “coisa” poderá ser bem mais grave do que que se diz por aí
mais grave (ainda) que a poluição
muito mais grave que as praias cobertas de pasta negra
todavia…
sobre o assunto, nada se ouviu dizer no congresso de fim-de-semana, tão pouco da parte da maioria das forças partidárias do país que somos e que dizem – ELES PARTIDÁRIOS – representar
um furo aqui, um furo ali e outro acolá…

afirma-se nas TV’s e pasquins que os furos dão dinheiro e que podem revelar uma verdadeira mina d’ouro (ainda que negro)

houve (em tempos) quem dissesse, dos eucaliptos, coisa semelhante – que o eucaliptal seria o nosso petróleo verde
pois…
e deu no que deu
mas com o petróleo – o petróleo negro e a sério – com esses furos de sondagem, mais os outros, os da exploração…
… melhor não
pois não

há quem se lembre de ter lido (algures) sobre 1755?
precisamente
isso, mil-setecentos-e-cinquenta-e-cinco
nessa ano, o litoral do território (para além da andaluzia) sofreu um terramoto histórico e, esse terramoto fez-se sentir com maior intensidade no algarve, litoral do alentejo, lisboa e vale do tejo
ora esses “furinhos inofensivos” – segundo a opinião do senhor ministro do ambiente e seu antecessor – estão programados para a nossa costa, mais precisamente para uma zona de risco que (por mero acaso) corresponde ao epicentro dos dois maiores sismos sentidos no país

voltando a 1755 – o senhor ministro das finanças (por quem, até temos alguma admiração) sabe, por certo, o que aconteceu ao que é hoje o seu concelho?
esse mesmo
o concelho de vila real de santo antónio e, por tabela aos concelhos adjacentes?
sabe.
por certo que sabe. e sabe também que hoje uma “coisa” do género fará mais “mossa” que em 1755. e o senhor ministro do ambiente também sabe. tal como o sabe o actual primeiro ministro – o primeiro ministro anterior também saberia…
afinal, para os políticos, que interessa que morram milhares de cidadãos se podem entrar milhões nos cofres estatais para alimentar as petrolíferas e, por tabela, a banca?

Algarve

mas para quem possa não entender estas coisas por andar distraído a ler “a bola” ou o “record”, explicamos “a coisa” doutra forma:…
– o que pode acontecer é que
o estádio do algarve
o estádio do “bonfim”
o estádio nacional
o estádio do restelo
o estádio josé alvalade
e
o estádio da luz
poderão ir todos à vida
e
o estádio do “dragão” e o estádio “1º de maio” também…
pois…

resta-nos desejar:
– bons furos e que nada falte às petrolíferas para além do petróleo do algarve e do litoral alentejano!

M.d’A

caiu o “muro dos poetas”

muro dos poetasmuro dos poetas2muro dos poetas3muro dos poetas4

 

perante a notícia de derrocada do “muro dos poetas” após uma noite chuvosa, indagámos… e, o Álvaro de Mendonça (autor das fotos que acompanham o “post”), informou-nos via facebook:

são três poetas populares cá da aldeia…
o mais famoso foi o Bexiga. Autor de uma edição – muito pessoal o sabe de cor.
vendia peixe e bebia vinho até cair… foi contemporâneo do António Aleixo, mais rude e subterrâneo:…

Quando não vejo o padeiro
talvez que seja melhor
sa calha não ter dinheiro
ver o padeiro é pior…”

os outros… um morreu num acidente e o outro suicidou-se.
Poetas da aldeia, nivelados pelas quadras populares de todo o tipo…