señor… barroso

barroso

JUNTO a la isla cercada
(casi) siempre sopla un mata-vacas que enloquece.
El anfitrión dos Açores ofrece argumentos bélicos a aquellos que no sienten más aprecio/dolor que el petróleo abundante o escaso. Ahora es un animal resbaladizo (enguia) al asalto de instantes de oro amarillo y negro. Un animal de sombra que en los muros se espesa como un antiguo/nuevo delito. No dejemos que prosiga su quehacer el animal silente que a ciegas nos conduce hacia el abismo.

16-3-2013
08-7-2016
Santiago Aguaded Landero

última hora: este ano no dia de camões…

é nosso dever informar – com verdade – os nossos concidadãos. em vésperas de mais um dez de junho, confirmámos e podemos adiantar:…

última hora

finalmente a pátria de camões irá condecorar os seu heróis. 

o povo exige e o que o povo exige, será cumprido.

assim será. e sua excelência o presidente de todos nós, votantes, cumprirá (como é seu dever) a vontade popular.

1º um colar de ouro da ordem de cavalaria “bravos e destemidos lusitanos” e o titulo republicano de comendador para o nosso herói nacional

o qual cometeu este feito exemplar:

“Membro da troika roubado no elétrico 28

Ladrão escapou sem que o economista Albert Jaeger tenha percebido”

 

“Carteirista assalta economista da troika

Q-Vitima 1

a dita “vítima”

Albert Jaeger, economista austríaco do Fundo Monetário Internacional (FMI) residente em Lisboa, foi assaltado por um carteirista quando passeava de eléctrico.”

 

Carteirista português vai ao bolso da troika

Q-argumento

O austríaco Albert Jaeger, representante do Fundo Monetário Internacional (FMI) a viver em Lisboa desde Outubro, ficou sem a carteira no eléctrico 28, enquando viajava com vários turistas até ao Castelo de São Jorge.

___________

2º colar da ordem dos grandes piratas “d’aquém e d’além mar” para a Senhora D. Quina com direito a aposentação equivalente ao cargo de presidente da república

QUINA1

D. Quina – “um exemplo maior…”

pela sua larga experiência e exemplo (pedagógico) para os mais novos

 

“Quina”, a mais velha carteirista do país, voltou a ser apanhada

Desta vez em Amarante, nas festas de junho. A vítima queixou-se à GNR e, depois de uma perseguição por entre a multidão, os militares encontraram a mulher que acabou, mais uma vez na esquadra. No mês passado, tinha sido condenada a pena suspensa naquela que a juíza disse ser “a última oportunidade”

QUINA2

“Mulher de 85 anos apanhada a roubar… outra vez. Quina tem um longo currículo. Uma mulher de 85 anos foi apanhada a roubar pela polícia. Tudo ocorreu terça-feira, durante o cortejo da Queima das Fitas, no centro da cidade do Porto.”

 

“Joaquina Gonçalves, apanhada em flagrante a roubar uma carteira na Queima das Fitas do Porto, foi esta manhã condenada a cinco meses de prisão, com pena suspensa por um ano. Juíza avisou a mais velha carteirista do país no ativo que para a próxima fica mesmo detida”

 

“A juíza do Tribunal de Pequena Instância Criminal do Porto alertou Quina, de 85 anos, que ou se emenda ou para a próxima vez que for apanhada a furtar carteiras não haverá contemplações. “Vai-lhe ser dada uma última oportunidade. Por isso, se voltar a praticar crimes, vai mesmo presa”, afirmou a magistrada no decurso da sentença proferida esta manhã”

 

ele nunca mente!… ele é um homem sério! ele é…

o gajo não mente. o gajo anda é meio desmemoriado. o gajo, o Passos, o  Coelho… disse que “nunca” esteve numa inauguração enquanto liderou o Governo. claro que não.

o gajo, o Passos, o  Coelho… disse que “nem de estradas, nem de autoestradas, nem de pontes, nem de porra nenhuma”.

o gajo, o Passos, o  Coelho… disse que “estaria lá com certeza o senhor ministro da Economia em representação do Governo”…

claro que nunca esteve, o gajo que se vê nas imagens (roubadas por aí na net) é o Pedro. e o Pedro não é o gajo, o Passos, o  Coelho. pois não

ng6701550ng6701536ng6701551ng6701553ng6701554ng6701556ng6701585

os conselhos de um ex-ministro cuja competência… que é competência?

para quem tem memória curta, aí vão muitos dos conselhos que um tal coelho nos deu ao longo de 4 anos…

para não esquecer. nunca!

nota: as obras expostas não são da nossa lavra – recolha numa página do facebook “uma página numa rede social”

pc20pc21pc12pc13pc14pc22pc15pc23pc16pc24pc04pc05pc06pc07pc08pc09pc17pc25pc10pc18pc26pc19pc11pc03pc02pc0111pc12pc

das estátuas cobertas à prisão de dois “titereiros”

estátuas

a arte, na arte… pouco interessa o raciocínio, a sobriedade. tudo deve fluir. naturalmente. até pelos poros. a arte não é, tão só, uma planície nebulosa. é, sim, vasta. é uma planície por onde tudo passa.

até tu.

até eu…

a arte não se compadece. nunca se compadeceu do pensamento tacanho dos que se auto-intitulam chefes, lideres (quer os eleitos, quer os impostos)…

a arte incomoda?

incomoda. pode incomodar.

e depois?

então…

para não incomodar, um troglodita quis que se cobrissem obras de arte que marcaram a cultura mediterânica. claro que – incompreensivelmente – o governo italiano fez a vontade ao tirano.

ordenou que se tapasse a nudez das estátuas, os falos dos velhos deuses, as vaginas e as mamas das madonas.

lorca

não passou um mês sobre este acontecimento. sobre este prato servido gratuitamente a religiosos de outras fés e heis que em Madrid se encarceraram dois “titereiros”.

rezava a notícia:

El viernes 5 de febrero se produjo en Madrid la absurda detención de dos artistas que representaban una función de teatro erróneamente programada para todos los públicos y en horario infantil por el Ayuntamiento de Madrid. Una mala interpretación de sus contenidos llevó a algunos padres a sacar de contexto algunas escenas de la obra, que hay que insistir, nunca fue pensada como un espectáculo infantil, y así puede acreditarse en la propia web de la compañía granadina. Tal fue la confusión creada, que algunos vieron apología y enaltecimiento del terrorismo donde lo que se representaba, precisamente, era una escena en la que se prepara un montaje policial para acusar de esos delitos a unos de los personajes de la obra. El resto es pasto de portadas, tertulias y tweets.

Como consecuencia, dos integrantes de la compañía fueron injustamente detenidos acusados de un delito no cometido y, este sábado, 6 de febrero, el juez Ismael Moreno ha ordenado su entrada en prisión incondicional y sin fianza.”

facto é que os “marionetistas” (titereiros) foram presos “incondicionalmente”. facto é que o juiz deu ordem de prisão a dois artistas. facto é que a “lei da rolha” e o espírito autoritário está na ordem do dia – o neo liberalismo, neto (ou será sobrinho?) dos fascismos europeus, actua livremente em busca da eterna satisfação conjugal entre o capital e o autoritarismo. e aos artistas, aos cidadãos comuns resta-lhes abraçar cordialmente os arautos da miséria do quotidiano? aceitar sem uma palavra de revolta os ditames de juízes e outros serventes do estado que não se cansa em afirmar que o é “de direito”?

na TV

é facto. os “chuis” e os “juízes” transportam os seus deuses circenses para infestar negativamente esta sociedade onde a liberdade não é mais que um conceito obsoleto.

onde está a coluna vertebral desta europa?

bbb-2-danger

as estátuas com nudez explicita, como as de vénus da época romana, expostas no percurso feito pelo presidente do Irão, Hassan Rohani, foram cobertas. tapumes brancos cobriam vergonhosamente obras de arte nos museus…

no jornal “Il Messaggero”, podia ler-se que a delegação iraniana pedira que as Vénus desnudas e outras estátuas fossem cobertas. também pedira uma mudança na estrutura da sala dos museus capitolinos, onde Rohani e o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, terão estado reunidos.

mais… para a comitiva iraniana seria incómodo que aparecesse a escultura equestre de Marco Aurélio (?).

tal decisão – ocultar obras de arte – foi criticada por alguns políticos ao qualificar de “loucura” encobrir a história de arte italiana.

respeitar outras culturas não pode e não deve representar a negação da nossa“, declarou o deputado Luca Squeri.

e, destaquemos, não foi servido vinho durante o jantar oferecido à delegação iraniana.

por apenas um pequeno “inconseguimento”….

paf

depois dos imensos discursos.

depois de tanta demagogia política e… pieguice.

fiquei um pouco “à nora”.

é facto.

fiquei sem saber se a tão apregoada “tradição” (pelos vários deputados em debate) está consagrada em algum artigo da constituição da republica.

pois é…

fiquei um pouco baralhado.

e… será que a tal tradição faz sentido?

ou, em democracia, cumpre-se tão só as normas estabelecidas?

se assim é, penso ter sido o que aconteceu – ou não?…

certo. façamos então, para satisfação dos senhores deputados e não só, um pequeno esforço e consideremos a tradição.

é tradição haver eleições. e houve.

é tradição – após divulgados os resultados – o presidente convidar o partido mais votado a apresentar uma solução governativa. parece ter acontecido.

é tradição – ou não – o presidente aceitar a proposta de governo. foi o que aconteceu (ainda que o paf não tivesse maioria).

é tradição o governo ser aceite ou não (por votação) na assembleia da republica. tal rito teve lugar e a assembleia rejeitou o governo por maioria (todos os deputados do PCP, PEV, BE, PS e o deputado do PAN). assim sendo, todo o percurso foi cumprido.

ora após tal processo – absolutamente normal (ou se entenderem tradicional) – o governo derrapou num “inconseguimento” (como diria a outra) e a tradição, quer queiramos ou não, foi cumprida. os governantes deixaram de o ser e, “abandonaram a sua área de conforto” (como diria o outro).

qual é afinal o problema..!?

os submarinos políticos emergem… depois submergem

barroso2

os submarinos políticos emergem sempre que há eleições. emergem sempre como pássaros “opinautas” para manipular (não mais que manipular) a dita opinião pública.
depois submergem.

um dos pássaros emergentes (ou tratar-se-á de um emergente submarino alemão?) cheios de “saber político” é um tal barroso – ave de arribação chocada nos aviários do maoísmo.
e o tal barroso disse há poucos dias:

«Há uma coisa que sei: os eleitores socialistas não votaram no PS para um governo com o PCP e o BE. Toda a gente sabe que não foi esse o sentido de voto dos eleitores socialistas».

há, todavia, uma coisa que nós nunca podemos saber – o porquê de tantos votos numa coligação que “governou” de forma desastrosa e miserável este país.
agora os eleitores socialistas votarem em antónio costa…
será que votaram para que o ps se viesse a tornar a passadeira vermelha do neo-liberalismo (como parece insinuar o ex-maoísta)?
será que os eleitores do ps votaram nessa força política para que o seu secretário geral viesse, de forma subserviente, facilitar a continuidade do governo de passos e portas?
há, isso sim, uma coisa que todos sabemos. foi no governo de barroso que se adquiriram 2 submarinos alemães de forma mui pouco transparente.
isso sim. sabemos todos.

o resto não passa de retórica de “opinautas” de serviço