2 poemas e 1 pintura de Vasco Câmara Pestana

PORTA-ESTANDARTE

 

Tudo passa na minha demora dizia Apollinaire
dos caligramas e eu fiquei a tremer
tudo passa
então o que nos alivia antes de morrer?

 

Quando se ama não são apreciadas
asas de morcego dentro do quarto!

 

Quando se ama levita-se
e as sirenes encarnam
a culpa quando se ama é um drama!

 

Agora que sei de tanta incandescência
recolhi-me a folhear os livros húmidos
dos Zimbórios!

 

Atónito vejo-te febril
como um Porta–Estandarte
de Ser Tudo e Ser Nada
ser falso e verdadeiro
avançando nos carris inesgotáveis
obrigatórios vagões de mercadorias mitológicos
para seja qual for a estação excitante!

 

Hoje uma pomba mal disposta borrou-me o chapéu
e tudo se passava na minha intratável demora
dizia Apollinaire!

 

vascoCP3

SER

 

De citações ocultistas se faz a minha poesia!
Levo comigo o próprio Céu e o Inferno
produtos da minha própria criação!
Astral como Artaud e Toulouse Lauctrec
sufocado durante a vida
agora o meu deslumbramento
é todo meu conhecimento
interior que já excede os limites
da própria vida terrena!

 

Sou o juiz mais severo da vida terrestre
sou o presente levado às últimas consequências
ao ponto do isolamento total
da minha época!
Monotonia de engarrafamentos
engarrafamentos!

 

Expresso uma verdade
uma verdadeira disciplina
um sentido moral e litúrgico para a alma
e para o S E R!

 

As coisas a que aspiro
as coisas porque suspiro são de outra ordem
são relâmpagos e luzes que perduram
sombras simultâneas como um eclipse
de Lua Cheia!

Menau – artista algarvio em tribunal por mor de um enforcamento

comecemos por ilustrar a excelente “instalação plástica” do artista Menau com este, não menos excelente, vídeo

e agora… leiam isto: – Artista algarvio Menau vai a tribunal por “enforcar” a Bandeira de Portugal

forca

e agora… indignem-se. o direito à indignação é – ainda – um direito. mesmo naquele território da ibéria onde os que emporcalham aquilo a que chamam nação… legislam

o gato

um poema de renato suttana

gatos

O GATO

 

No mundo da ferocidade
o gato carrega, sereno,
a sua verdade.

 

Sobre o muro, onde pausa
para olhar os arredores,
observa o casal de rolas

 

e seus amores.
Gatos não pensam (?), mas
o olho que volve para trás,

 

para olhar os arruladores,
faz pensar que pense
que um casal de rolas

 

em seus amores
seja um excelente prato
para um gato.

 

No mundo da ferocidade
o gato carrega, sereno,
a sua verdade.

 

(RS, “Bichos”)

 

Ti-MARIA – “A CRIMINOSA”

este texto foi recolhido na net (facebook). por o considerarmos extremamente importante e pertinente, publicamo-lo aqui – na “gripe das aves”.

ti-maria

Ti-MARIA – A CRIMINOSA (1)

“A Ti-Maria (Maria Isabel) tem 83 anos e é uma criminosa. 
O local do crime é o fogão, e assim foi durante muitos anos: vende bolo de laranja no café da zona. Sem recibo. E ainda consegue ir mais longe: usa os ovos das suas próprias galinhas. Juntamente com a filha, formam uma organização criminal. Eusébia, com 58 anos, produz uma pequena quantidade de queijo de cabra na sua própria cozinha que vende aos vizinhos a 1 euro a unidade. Um dos vizinhos, José Manuel, utiliza o antigo forno de barro que tem no quintal para cozer pão, faz uma quantidade a mais do que a que ele e a sua mulher necessitam para vender aos amigos, tentando assim complementar a pensão da reforma que recebe.
Alguns dos habitantes mais idosos da aldeia apanham cogumelos e vendem-nos ao comprador intermediário. Novamente, sem passar recibo. Por sua vez, este intermediário distribui-os em restaurantes, passa recibo mas fá-lo pelo dobro do preço que pagou por eles. Marta, proprietária do café da zona, encomendou alface ao fornecedor mas acrescentou umas ervas e folhas de alface do seu próprio quintal. E se pedíssemos uma aguardente de medronho, típica da zona, quando a garrafa oficial, selada com o imposto fiscal, estiver vazia, o seu marido iria calmamente até à garagem e voltava a encher a garrafa com o medronho caseiro do velho Tomás. Podemos chamar a isto tradição, qualidade de vida ou colorido local – o certo é que em tempos de crise, a auto-suficiência entre vizinhos, simplesmente ajuda a sobreviver.
O Alentejo é das regiões mais afectadas pela crise que de qualquer forma afectou todo o país. A agricultura tradicional está em baixo, a indústria é quase inexistente e os turistas raramente se deixam levar pela espectacular paisagem costeira da província. Os montes alentejanos perdem-se em ruínas. Quem pode vai embora, ficando apenas a população idosa a viver nas aldeias, e para a maior parte, o baixo valor que recebem de reforma é gasto em medicamentos, logo na primeira semana do mês. Inicialmente, as pessoas fazem o que sempre fizeram para tentar sobreviver de algum modo. Vendem, a pessoas que conhecem, o que eles próprios conseguem produzir. Não conseguem suportar os custos de recibos ou facturas. Para conseguir iniciar um negócio com licença, teriam de cumprir os requisitos e fazer grandes investimentos que só compensariam num negócio de maior produção.
Ao contrário de Espanha, Portugal não negociou acordos especiais para quem tem pequenos negócios. As consequências: toda a produção em pequena escala – cafés, restaurantes , lojas e padarias que tornam este país atractivo – é de facto ilegal.
Só lhes restam duas hipóteses:
– ou legalizam o seu comércio tornando-se grandes produtores
– ou continuam como fugitivos ao fisco.
Até agora e de certa forma, isto era aceitável em Portugal mas neste momento, parece que o governo descobriu os verdadeiros culpados da crise: o homem modesto e a mulher modesta como pecadores em matéria de impostos. Como resultado, as autoridades fecharam uma série de casas comerciais e mercados onde dantes eram escoadas os excedentes das parcas produções dos pequenos produtores e transformadores, que ganhavam algum dinheiro com isso, equilibrando a economia local.
Há uns meses atrás, a administração fiscal decidiu finalmente fazer algo em relação ao nível de desemprego: empregou 1.000 novos fiscais.
Como um duro golpe para a fraude fiscal organizada, a autoridade autuou recentemente uma prática comum na pequena Aldeia das Amoreiras: alguns homens tinham – como o fizeram durante décadas – produzido e vendido carvão. Os criminosos têm em média 70 anos, e os modestos rendimentos do carvão mal lhes permitia ir mais do que poucas vezes beber um medronho ou pedir uma bica. Não é benéfico acabar com os produtos locais e substituí-los por produtos industriais.
Não para o Estado que, com uma população empobrecida, não tem capacidade para pagar impostos. E não é para a saúde: não são os produtos caseiros que levam a escândalos alimentares nestes últimos anos, mas a contaminação química e microbiana da produção industrial. Apenas grandes indústrias beneficiam desta política, uma política que chega mesmo a apoiar a crise. Sendo este um país que se submete cada vez mais a depender de importações, um dia não terá como se aguentar economicamente. É a realidade, até parece que a globalização venceu: os terrenos abandonados do Alentejo foram maioritariamente arrendados a indústrias agrícolas internacionais, que usam estes terrenos para o cultivo de olival intensivo, para a produção de hortícolas em estufas e também de OGM’s (Organismos Geneticamente Modificados – Transgénicos produzidos pela multinacional americana ‘MONSANTO’ que foi autorizada pelo governo português a cultivar esses produtos internacionalmente proibidos).
Após alguns anos, os solos ficam demasiado contaminados. Em geral, os novos trabalhadores rurais temporários vêm da Tailândia, Bulgária ou Ucrânia, trabalham por pouco tempo e voltam para as suas casas antes das doenças se tornarem visíveis.
Com a pressão da Troika, o governo está a actuar contra os interesses do próprio povo. Apenas há umas semanas atrás, o Município de Lisboa mandou destruir mais uma horta comunitária num bairro carismático da cidade, a “Horta do Monte” no Bairro da Graça, onde residentes produziam legumes com sucesso, contando com a ajuda da vizinhança. Enquanto os moradores do bairro protestavam, funcionários municipais arrancaram árvores pela raiz e canteiros de flores, simplesmente para que os terrenos possam ser alugados em vez de cedidos. Mais uma vez, uma parte da auto-organização foi destruída pela crise. A maioria dos portugueses não aceita isto. No último ano e por várias vezes, cerca de 1 milhão de pessoas – o equivalente a 10% da população – protestou contra a Troika.
Muitos demonstram a sua criatividade e determinação durante a desobediência civil: quando saiu a lei que os clientes eram obrigados a solicitar factura nos restaurantes e cafés, em vez de darem o seu número de contribuinte, 10 mil pessoas deram o número do Primeiro-ministro. Rapidamente isto deixou de ser obrigatório.
Também há alguns presidentes de freguesias que não aceitam o que foi feito aos seus mercados. E assim os pequenos mercados locais de aldeia continuam mas com um nome diferente “Mostra de produtos locais”, “Mercado de Trocas”. Se alguém quer dar alguma coisa e de seguida alguém põe dinheiro na caixa dos donativos, bem… quem irá impedi-lo?!
Existe um ditado fascinante: “quando a lei é injusta, a resistência é um dever”. É este o caso. Não são os pequenos produtores que estão errados mas sim as autoridades e quem toma as decisões – tanto moral como estrategicamente, porque:
– é moralmente injustificável negar a sobrevivência diária dos idosos nas aldeias.
– é estrategicamente estúpido…porque leva ao extermínio destes velhos, de forma encapotada.
Um tesouro raro está a ser destruído: uma região que ainda tem conhecimentos e métodos tradicionais, e comunidades com coesão social suficiente para partilhar e para se ajudarem entre si, estão a ser destruídas.
Uma economia difundida globalmente e à prova da crise é o que aqui acaba por ser criminalizado, ou seja, a subsistência rural e regional, o poder de auto-organização de pessoas que se ajudam mutuamente, que tentam sustentar-se com o que cresce à sua volta.
Ao enfrentar a crise, não existem razões para não avançarmos juntos e nos reunirmos novamente. Existem sim, todos os motivos para nos ajudarmos mutuamente, para escolhermos a auto-suficiência e o espírito comunitário rural. Podemos ajudar a suavizar a crise, pelo menos por agora – se não, no mínimo oferecemos um elemento chave para a resolver.
Quanto mais incertos são os sistemas de abastecimento da economia global, mais necessária é a subsistência regional.
Assim sendo, pedimos a todos os viajantes e conhecedores: peçam pratos caseiros e regionais nos restaurantes. Deixem que as omeletes sejam feitas por ovos que não foram carimbados nem selados. Peçam saladas das suas hortas. Mesmo em festas ou cerimónias, escolham os produtos de fabrico próprio, caseiros. Ao entrar numa loja ou café, anunciem de imediato que não vão pedir recibos ou facturas.
Talvez em breve, os proprietários dos restaurantes se juntem a uma mudança local. Talvez em breve, um funcionário de uma loja será o primeiro a aperceber-se que a caixa de donativos na entrada traz mais lucro do que o registo obrigatório das vendas recentemente imposto. Talvez em breve, apareçam as primeiras moedas regionais como um método de contornar as leis fiscais”.

(1) – recolhido numa rede social (facebook) desconhecemos o autor do texto – mas concordamos com o exposto. daí a sua publicação na “gripe das aves”

leal de (lealdade)… pois é

teresa

 

Teresa Leal Coelho a administradora da SAD do Benfica nos tempos de Vale e Azevedo (despedida)

Teresa Leal Coelho a despedida do Centro Cultural de Belém com vários processos em tribunal com acusações que se prendem com favorecimento de amigos e abuso de funções e do bom nome da instituição

Teresa Leal Coelho é uma voz crítica à Justiça – claro, tem as suas razões

então Teresa Leal Coelho, cidadã acima de qualquer suspeita, desanca na justiça (sua madrasta e à qual nutre ódio de estimação – sabe-se lá porquê…)

Passos Coelho apostou na Teresa Leal Coelho (claro há que apostar na lealdade)

e a senhora aí está a disparar imprecações contra os juízes do Tribunal Constitucional… ao ouvi-la, com este seu ar alucinado, ficamos com a certeza que esta não partiu um ovo… mas centenas de embalagens de dúzia

como alguém disse: “é bem feito, pois fomos nós que os elegemos!…” mas pela nossa parte, corrigimos:  “é bem feito, pois foram vocês que os elegeram!…”