OS 9 CAPÍTULOS DA MINHA TESE DE DOUTORAMENTO

tracei, com passos alados, estas trilhas desprovidas de princípios sobre a plataforma. é meu desejo, de forma consciente, criar o caminho. aquele que nunca foi antes criado. e voar. voar e sonhar o não sonhado. o que me interessa é o sentido. o da vida. a vida onde os deuses artesãos talham universos inconsistentes e inconscientes. o meu desejo, enfim, é a elaboração de um belo rascunho que rume ao seu destino. um destino onde abundam terraços paralelepipédicos e fantásticos. no céu.

a-caminho

I

uma regra. da vida. uma regra de vida dominante. uma. a do império que se desmorona. uma regra que se conta entre fontes. as fontes principais da sociedade. uma regra que, em si, conta com um atractivo. enorme. que nos leva a reflectir obsessivamente dentro. no interior. no nosso íntimo. falamos de regra. de uma. e essa regra respeita (talvez) a intimidade. o direito à intimidade. portanto uma regra cosmopolita, acética,  e, quiçá, desenraizada de todas as demais regras.

II

um paradoxo. há que ter em conta e, em atenção, a permanência. a presença das tradições em jogo. o jogo. é no jogo, precisamente, que encontramos uma boa parte de referências que abarcam o sistema. e daí se infere que o paradoxo não é mais paradoxo. tão pouco paradoxal. em boa medida o vocábulo original é, digamos, um equivoco. um lapso que provoca em nós, mortais, o desejo de lançar um foco luminoso sobre os aspectos mais obscuros que sustentam a regra.

III

a perplexidade das coisas. as coisas. as coisas ditas já foram parcialmente ditas. as ditosas coisas ditas. digamos, anotações pessoais ainda que melancólicas. por vezes vivemos um drama. o de sermos homens condicionados na nossa dupla condição. a de mortal e a de deuses terrenos. as meditações são, efectivamente, compêndios onde o saber ocupa o seu lugar. e o lugar é isso mesmo. o lugar. um lugar alicerçado no tempo. então o lugar é, objectivamente, perplexo. podendo, por vezes, ser complexo.

IV

a semiologia é, todavia, isenta de qualquer perplexidade ou regra. ainda que a regra seja fundamental. melhor; defende fronteiras. as fronteiras do império são, aqui e neste contexto, defendidas de quaisquer ameaças. ameaças vindas daqui ou dali. recorrendo do significante, concluímos (sem sombra de dúvida) que a tese aqui apresentada é válida. a tese, dizíamos, é assombrosa. e é pela sua refinada e (repetimos) acética observação da coisa. aliás, como tem vindo a ser analisada pelos mais ilustres doutores do hoje. ou de hoje. é que a alma busca a harmonia. ou seja, estamos perante um verdadeiro desafio em processo onde poderemos, sempre, contemplar as forças em disputa. neste caso, o drama pessoal e a disciplina moral imposta pelo investimento. ou seja; o actor não entra em cena mas irá gerar e gerir reflexões.

V

há, todavia, quem entenda que as meditações não passam de exercícios espirituais. aqui e, tal como o actor, a individualidade não entra em cena. nunca. logo a liberdade não é, neste caso, possível ou mesmo passível de o ser. de ser liberdade. e não o é por, tão só, não o ser. uma vez que a liberdade só o é, se o for. num todo. toda. toda a liberdade.

VI

objectividade e subjectividade talhadas. previamente. e em linha recta. nos rostos. e em linhas rectas. duas e em si mesmas. paralelas e erguidas na ponta dos pés sobem e descem escadas. o mundo é teu e nele poderás coser o teu futuro com triciclos lilases. nele poderás projectar ideias e alguns sonhos disformes. disformes mas reais. e os deuses objectivamente não passam de uma enorme subjectividade e, por vezes, devoram corações. antes porém, soltam gritos surdos que parecem nascer por debaixo da pele como navalhas. certo.

VII

pois…

 VIII

o infinito leva-nos ao encontro do nada. e se possuirmos uma razoável parcela de luz, ainda que não seja suficiente para descobrir objectos e espanta-pássaros, seremos capazes de imprimir-lhe aquela doce sensação de estarmos vivos. instintivamente. instintivamente e até à morosidade dos caracóis. a velocidade porém, é outra coisa. uma coisa que no infinito se deita preguiçosamente todas as noites. na velocidade todos os teus movimentos, sem excepção e em geral, levam meia hora a serem concluídos.

IX

todavia o itinerário é sempre de rota fixa. se resolvesses comprovar tudo. tudo o que foi dito nestes nove itens. se a tua paciência de lagosta estivesse frente à minha porta presenciarias os últimos gestos de um suspiro apoiados no dia do teu fim. e fim. e é o fim.

 

 
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s