Património Bukowski

bukowski

 

O pouco que li de Charles Bukowski foi no inferno. Não é que eu frequente muito o inferno propriamente dito, mas às vezes vou lá parar. Na verdade, o primeiro Bukowski que conheci foi o meu irmão Victor Mendes, pescador exímio e dono duma frota de prostitutas. A única diferença entre o meu irmão e Bukowski é que o meu irmão nunca escreveu um poema. De resto, estava lá tudo: os esquemas e as tabernas; as meninas dos becos e os clientes das valetas. Mas também o vinho e o desespero; as navalhas à vista quando alguém se esquecia que o prazer trazia fatura. Como devem perceber, poesia não me faltava. Quando o meu irmão ia para a faina eu é que tomava o lugar dele ao leme do destino das meninas. Ficava a vê-lo partir, as meninas ao meu lado, todos nós sentados na areia morna da praia, e elas descruzavam as pernas em sinal de bênção pelo herdeiro que o meu irmão lhes deixava. Porém nunca comi nenhuma, porque eu não era o Bukowski. A minha função era passear com as damas pelas ruas de Cascais, entrar em alguma tasca para um copo de laranjada. Se havia negócio, o patrão era eu. Lembro-me que uma noite dormi com a rainha: miúda da Madeira, dezoito anos bem usados. Também dessa vez não fui Bukowski. Nem ode nem redondilha – creio que adormeci como um anjo.
Quando entrei na adolescência, jurei a mim mesmo que não gostaria de ser um Bukowski. E não sou, decididamente. Raramente frequento bares. Putas, bom dia boa tarde, até porque de noite raramente saio de casa. Conheço todos os ambientes da perversão e da fantasia. Corri perigos. Sei quando elas falam verdade. Esqueci certos pormenores, mas ficou-me um grande respeito pela vida dessas mulheres que contribuíram de alguma forma para a minha formação. De Bukowski, meu irmão pescador, ficou-me as palavras e nunca os seus atos. Não que ele fosse um canalha – sempre o conheci bastante generoso: uma espécie de teto humano que abrigava as raparigas perdidas. Quando comecei a escrever fui buscar ao passado parte do património do Bukowski. Estão a ver o meu dilema? Aos doze anos de idade fui bukowski sem escrita e agora sou escritor sem a pinta do bukowski. Há vidas que só servem para baralhar.

Fernando Esteves Pinto

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s